"Então, falando ele estas coisas em sua defesa, Festo disse em alta voz:
Estás louco, Paulo! As muitas letras te levam à insanidade!"
(Atos dos Apóstolos 26.24)

segunda-feira, julho 02, 2007

Sobre o Código Da Vinci

22.02.2007


Caríssima Luíza,


Tenho alguns comentários a fazer sobre esse texto:


1. Não acho que o livro de Dan Brown queira provar que Jesus não era divino e que constituiu família e deixou descendentes. Que o autor se aproveitou de um tema que ano após ano provoca a ebulição da curiosidade das pessoas, não há dúvida. Mas o autor deixa bem claro, se bem me lembro do prefácio, que o livro é uma obra de ficção. Só embarca na idéia de que é um documento científico ou uma prova quem não leu direito e não quer se dar ao trabalho de pesquisar os vastíssimos dados científicos disponíveis sobre o Jesus histórico, a diversidade dos cristianismos dos primeiros três séculos da nossa era e o processo de formação dos evangelhos canônicos.


2. Eu não diria que o livro reforça a incredulidade do mundo, mas certamente, devido a todo aparato midiático construído para divulgá-lo, pode reforçar a ignorância a respeito da matéria, na medida em que leitores desprovidos de consciência crítica não se dispuserem a pesquisá-la. Ou o inverso também pode ocorrer: o livro pode instigar algumas pessoas a quererem se aprofundar no conhecimento da vida de Jesus e do material dos evangelhos. Além do mais, não é preciso ser crédulo para agir com ceticismo diante de um livro como este: um erudito do Novo Testamento que não seja crente (e há gente assim) dificilmente não denunciaria as incongruências da obra. Se o livro é uma investida do diabo, foi extremamente ingênua, ainda mais se valendo desse assunto que envolve uma das ciências mais avançadas do mundo.


3. A afirmação de Paulo em Gálatas 1.6-8 não se refere a evangelhos gnósticos, mesmo porque o gnosticismo é uma tendência que se estabelece em ambiente cristão a partir do século II. O "outro evangelho" ao qual Paulo se refere é o ensino de missionários judaico-cristãos que insistiam na observância da lei judaica como instrumento de justificação diante de Deus (Cf. At 15).


4. Atualmente é arriscado falar de "Igreja primitiva", sugerindo que os cristãos fossem um grupo homogêneo. A pesquisa recente tem apontado para a provável coexistência de "cristianismos" no Mediterrâneo dos primeiros três séculos, a começar (partindo dos dados dos documentos canônicos do Novo Testamento) pelas comunidades judaico-cristã e cristã helenística. Além disso, conhecemos, de outras fontes, grupos variados: nazarenos, ebionitas, gnósticos e montanistas.


5. Não diria que Jesus sempre foi tido como divino. Os evangelhos sinóticos e a primeira parte dos Atos dos Apóstolos parecem descrevê-lo como enviado de Deus para anunciar o seu reino escatológico, servo de YHWH à luz de textos do Segundo Isaías (40 - 55). Ainda de acordo com os sinóticos, o próprio Jesus nem mesmo utiliza para si o título "Cristo" e procura deixar claro que há diferença entre ele e o Pai, o qual, e somente ele, é bom e o único que conhece a ocasião da consumação escatológica. Entretanto, as cristologias joanina e paulina já o representam como divino.


6. "E como ele era Divino, esta questão de casamento não lhe era própria". Eu seria cauteloso quanto à ênfase dada à natureza divina ao falar do Jesus histórico. É provavelmente fora de dúvida que, a partir da experiência com Espírito Santo vivida tão logo se tenha feito batizar por João, Jesus compreendeu a si próprio como eleito de Deus para anunciar a vinda do seu reinado. A teologia da divindade de Jesus, entretanto, é um desenvolvimento posterior a ele. Não se deve esquecer que os evangelhos não são biografias, mas memória histórica "e" teologia. A afirmação de Damy Ferreira, a meu ver, é problemática por três razões: Em primeiro lugar, pode sugerir que casamento e divindade são elementos mutuamente excludentes. Noutras palavras, uma união conjugal (por envolver a "carne") profanaria a santidade da divindade. Em segundo lugar, Deus não se casa, mas o ser humano sim. E por mais divino que Jesus fosse, ele não era menos ser humano. Afirmando a humanidade real de Jesus, penso que devemos encarar a questão do seu estado civil do modo como exigem as fontes disponíveis: informação não declarada. Em terceiro lugar, em nenhuma parte do Novo Testamento se afirma que Jesus 1) não se casou, e isso pode demonstrar que os autores não tinham interesse sobre esse assunto, mas também, claro, que Jesus não foi casado e 2) que Jesus não se casou por se considerar divino.


7. "O Evangelhos foram livros históricos, feitos por autores despretensiosos, inspirados pelo Espírito Santo". Os evangelhos canônicos nunca foram escritos por autores despretensiosos. Cada um deles tinha, sim, intenções teológicas ao escreverem as suas obras. Eles não apenas selecionam e organizam, mas também dão forma ao material que têm em mãos: combinam e modificam livremente não somente a tradição de Jesus, porém textos do Antigo Testamento utilizando versões conhecidas (tradições textuais hebraicas e gregas) e desconhecidas por nós, além de revestirem esses textos de novos sentidos, obviamente retirando-os do seu contexto original (procedimento exegético não pouco usual à época). Isso não significa, entretanto, que não tivessem reverência pela preservação e transmissão das tradições de Jesus. Evidentemente, enquanto imbuídos da compreensão religiosa de suas comunidades de fé, consideravam que o seu trabalho era feito sob a iluminação do Espírito Santo, também chamado nos Atos dos Apóstolos de "Espírito de Jesus". Isso, no entanto, não deve fechar os nossos olhos para o fato de que os evangelistas eram seres humanos que vivenciavam, compreendiam e transmitiam suas experiências religiosas através de linguagem humana e, por isso mesmo, não estavam isentos de "si próprios" na composição dos textos. Isso é razão suficiente para analisar os textos de modo crítico. Apenas uma informação nesse sentido para instigar a reflexão: apesar de Maria Madalena e outras mulheres terem sido testemunhas oculares da ressurreição, elas desaparecem completamente de cena já nos relatos da ascensão do Senhor, inclusive na abertura do livro dos Atos dos Apóstolos: no capítulo 1, menciona-se, já no ambiente do cenáculo, apenas "as mulheres" e Maria, mãe de Jesus. E apesar de os resultados das pesquisas recentes, pouquíssima atenção é dada à liderança feminina nas comunidades cristãs nos documentos do Novo Testamento. Por quê?


8. Com todo respeito, acho que o Pr. Damy se excedeu ao afirmar: "É lá [no inferno] o lugar de [Dan] Brawn (sic) e todo o seu elenco". Não é papel do cristão condenar as pessoas ao inferno, mas aproximá-las de Deus. E este é o único que tem o direito de julgar quem quer que seja. Diante de uma obra como essa, penso que devemos estimular a investigação científica e o debate inteligente, sem medo, considerando que temos colocado a nossa fé em Jesus Cristo por causa de nossa experiência com os testemunhos dos autores bíblicos, sob a orientação do Espírito Santo. E essa fé consiste na esperança das coisas eternas que os olhos não podem ver. Ela se apóia, no entanto, na tradição cristã que surge na história. E se a tradição cristã surge na história, deve-se assumir não só as suas realidades, porém, do mesmo modo, as suas ambigüidades. A fé se constrói dialeticamente.


9. Espero que minhas reflexões tenham sido úteis.


Um grande abraço!


Ruben Marcelino


Site original: www.batistacentralosasco.com. br

Pessoal, procurei o texto no site e não encontrei. Por essa razão, vou reproduzi-lo abaixo, tal qual está no e-mail que recebi.

O CÓDIGO DA VINCI À LUZ DA VERDADE

2 Co. 13.8 (NVI) “Pois nada podemos contra a verdade, mas somente em favor da verdade”. Tradução da Bíblia de Jerusalém: “Nada podemos contra a verdade, mas só temos poder em favor da verdade”. A idéia do texto é que a verdade triunfa. Ninguém consegue derrotar a verdade. Temos aqui um tema mentiroso, mas a verdade o derrotará.

Rm. 3.4. “...Antes seja Deus verdadeiro e todo homem mentiroso”. É o grande tema das Testemunhas de Jeová, mas que nós vamos usar no seu sentido correto.

Na década de 60, este autor pastoreou em Araguari, Minas Gerais, uma cidade próxima a famosa cidade dos garimpos, Estrela do Sul. Acostumei-me a visitar garimpos para evangelizar aqueles homens humildes, mas fascinados pela busca de pedras preciosas. Certo dia, observando aquele monte de cascalho, que era peneirado em três peneiras, contendo muitas pedras brancas, perguntei a um dos garimpeiros: “Ei, como você pode distinguir um diamante no meio de tantas outras pedras brancas semelhantes”. O humilde homem, cheio de sabedoria, respondeu rapidamente: “Bem, pastor, duas coisas: a primeira, como o diamante é uma pedra mais pesada do que as outras, ele vai sempre para o meio da peneiragem. A segunda, é que o diamante tem um brilho que não confunde; quando ele brilha lá no centro, qualquer um pode notar que é o diamante”. Maravilhosa sabedoria prática.

A verdade é assim: Primeiro, ela está no centro de tudo; segundo, ela tem um brilho inconfundível. Quando ela aparece, ela brilha e ninguém tem mais dúvida. Como disse o grande sábio Victor Hugo: “A verdade é como a túnica de Cristo; não tem costura”.

INTRODUÇÃO

Que seria do cristianismo se ficasse provado que os Evangelhos que temos não são autênticos e nem são as mais antigas fontes de informação sobre Jesus? Que seria do cristianismo se ficasse provado que Cristo não é divino; que Ele, como qualquer outro profeta ou líder religioso constituiu família e seus descendentes vivem entre nós, secretamente? Ainda mais: que seria do mundo se ficasse provado que Cristo, mesmo divino, constituiu família e gerou filhos de natureza meio-humana, meio-divina?

É isto, e muito mais do que isto, que se pretende fazer nestes últimos tempos com o livro intitulado: Código Da Vinci, que já virou filme e está vendendo horrores. O livro já vendeu quase 50 milhões de cópias e está traduzido em 44 idiomas diferentes. Seu autor, Dan Brawn, já foi classificado pela Revista Time como uma das 100 pessoas mais importantes do mundo.
O livro, escrito por Dan Brown , foi lançado em 2003.

O ENREDO

A trama começa com o assassinato do curador do museu de Louvre, em Paris, Jacques Saunière, morto pelo monge albino Silas, um integrante do Prelado Opus Dei. O cadáver foi encontrado nu, de braços e pernas abertos, à semelhança de um clássico desenho feito por Da Vinci, denominado Homem Vitruviano, ao lado do quadro de Mona Lisa. No cadáver, e ao seu redor, várias mensagens em código, escritas pela vítima, antes de morrer, com o seu próprio sangue.

O livro, para ter jeito de novela e cinema, vai revelando seus objetivos aos poucos, à proporção em que o leitor vai se envolvendo com os fatos, num clássico estilo policial. O resumo da história é o seguinte:

Quando Jesus estava sendo crucificado em Jerusalém, Maria Madalena, sua esposa, estava grávida. Para evitar problemas para os futuros cristãos, ela fugiu para um lugar da Europa chamado Gália naquele tempo, que mais tarde veio a se chamar Paris. Ali, Maria Madalena teve uma filha que se chamou Sara. Ela recebeu toda ajuda de judeus pois, ao contrário do que dizem os Evangelhos canônicos, ela não era ex-prostituta, mas uma importante mulher de linhagem nobre, da tribo de Benjamim. (Na verdade, a idéia de prostituta, é um erro evangélico da própria interpretação da Igreja Católica, que confunde Maria Madalena com outra Maria). Casada com Jesus, da linhagem de Davi, ela merecia todo apoio possível.

Maria madalena passou a viver escondida, em segredo e seus descendentes continuaram a se multiplicar. Mais tarde foi criada uma sociedade secreta, que passou a se chamar Prelado de Sião, da qual fizeram parte grandes luminares da arte e da cultura, como Newton, Leonardo Da Vinci e outros, que bancavam a proteção dos descendentes de Maria Madalena.

Ultimamente, a Igreja Católica, sabedora do segrego, procurava, também secretamente, eliminar os descendentes do grupo, para acabar com a história, que prejudicava os conceitos mais fundamentais do cristianismo.

OS CÓDIGOS

No desenrolar do conteúdo do livro, permanece a busca frenética para decifrar códigos que vão surgindo. É uma espécie de caça ao tesouro, sofisticada. E então podemos resumir a questão dos códigos como segue:

- Da Vinci pertenceria a uma ordem denominada Priorado de Sião, similar à tão falada ordem Opus Dei, da Igreja Católica.

- Como Da Vinci era muito dado às ciências, além de artista, era olhado com cautela pelos líderes católicos, que o vigiavam.

- Assim, muita coisa que tinha na cabeça botava em código ou em termos de segredo em suas telas.

- Alguns acham que até o helicóptero aparece disfarçado em suas obras de arte.

- Dentre outras obras importantes, pintou Mona Lisa e o quadro da chamada Santa Ceia, que são a base do enredo do livro.

- Neste quadro teria posto, como que disfarçadamente, em código, Maria Madalena, ao lado de Jesus, no lugar em que normalmente se identifica o apóstolo João.

- O cálice usado por Jesus na Ceia, chamado Santo Graal, foi também usado para conter sangue de Cristo vertido na cruz. Mas para Da Vinci o cálice simbolizava o útero de Maria Madalena, e este cálice é o símbolo de todo o segredo.

Na verdade, a maioria dos críticos acha que Da Vinci jamais pensou em tal coisa. Tudo não passa de interpretação subjetiva do que seria Maria Madalena no lugar de João, ao lado de Jesus. Nem mesmo o sinal que Jesus faz com as mãos sobre a mesa, que seria a figura do útero de uma mulher.

A MONTAGEM DA HISTÓRIA

O autor juntou vários fatores, como segue:

1. Menção espúria de um Evangelho Apócrifo, que ele denomina “gnóstico”, chamado Evangelho de Filipe, em que se refere a Maria Madalena como companheira de Jesus, à qual Jesus freqüentemente beijava na boca (Nota: o beijo na boca naquele tempo não tinha o sentido sensual que tem home).

2. Usou também referências de outro evangelho apócrifo, denominado Evangelho de Maria Madalena, do qual existe apenas uma parte (faltam folhas) que, no entanto, não faz nenhuma alusão especial ao fato da união conjugal dela com Jesus.

3. Interpretação grosseiramente errada de João 2.1-12, que registra um casamento em Caná da Galiléia, dizendo que este foi o casamento de Jesus.

4. A suposta pintura de Maria Madalena, o quadro da “Santa Ceia”, do lado de Jesus, à mesa, no lugar que tradicionalmente se identifica com João.

5. A informação infundada de que o cálice único que Jesus usou e no qual beberam todos os apóstolos, foi usado por José de Arimatéia para conter o sangue de Cristo, e que passou a se chamar: “Santo Graal”. Este cálice passou a significar todo o conteúdo do segredo, de modo que passou a ser procurado por muitos ao longo da história.

6. A concepção de que Maria Madalena, ao contrário do que informam os Evangelhos Canônicos, não era uma prostituta, mas pertencente à linhagem nobre da Tribo de Benjamim e herdeira, com Jesus, que era da linhagem de Davi, do Reino Judaico.

7. Sua prole teria dado origem à dinastia merovíngia, que veio a fundar a cidade de Paris.

A montagem de tudo isto, resultou num enredo realmente fascinante, capaz de mudar a cabeça de muita gente. Mas um teólogo católico, Pedro Lima de Vasconcellos, em entrevista concedida à Revista Época, disse que o livro “é um queijo suiço, está cheio de buracos” (Revista Época no. 415, 1o de maio, p. 118).

A leitura do livro, e o filme montado à moda de Hollywood, causam impacto no povo de Deus, e reforça a incredulidade do mundo. Os cristãos menos avisados podem ficar estremecidos na fé.

Esta parece ser talvez a mais poderosa investida do Diabo contra o cristianismo nestes últimos tempos.

SERIA VÁLIDO ESTE CONTEÚDO?

1. Os Evangelhos denominados “gnósticos” realmente começaram a circular nos primórdios do cristianismo. Já o apóstolo Paulo dizia: “Admiro-me de que vocês estejam abandonando tão rapidamente aquele que os chamou pela graça de Cristo, para seguirem outro evangelho que, na realidade, não é o evangelho. O que ocorre é que algumas pessoas os estão perturbando, querendo perverter o evangelho de Cristo. Mas ainda que nós ou um anjo dos céus pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado” (Gálatas 1.6-8 – NVI).

2. Ademais, nenhum desses evangelhos eram aceitos pela Igreja primitiva, que só confiava, é evidente, em escritos que provinham daqueles que viveram com Jesus, principalmente dos apóstolos.

3. É claro que há duas citações na carta de Judas vs. 9 e 14, (meio-irmão de Jesus – filho de Maria, mãe de Jesus, com José), que aparecem também no livro apócrifo de Enoque. No entanto, entende-se que este conhecimento fazia parte das tradições orais que circulavam entre judeus e cristãos. Ademais, muitos desses livros apócrifos tinham muitas informações importantes, apesar de não terem sido aceitos pela Igreja. De qualquer maneira, a carta de Judas levou muito tempo para ser aceita no Cânon do N.T. Menciono isto por uma questão de honestidade intelectual, que nunca aparece no autor do livro Código Da Vinci. Afinal, mentira é mentira.

4. A respeito da figura de Maria Madalena ao lado de Jesus no quadro da “Santa Ceia”, é apenas uma interpretação subjetiva ou maliciosa do autor do livro em questão. Os melhores críticos asseguram que Da Vinci jamais teve tal intenção. Mesmo porque ele não deixaria de incluir também João, um dos discípulos mais queridos de Jesus que, juntamente com Pedro, Tiago, sempre estava com ele nas missões mais importantes, como foi o caso do Monte da Transfiguração. Portanto, a interpretação é tendenciosa e não faz sentido.

5. Sobre a figura do cálice, Santo Graal, que teria contido sangue de Cristo e que passou a ser o símbolo de todo o segredo, também não há nenhuma informação histórica fidedigna, muito menos nenhuma menção no N.T. Na verdade, no relato dos Evangelhos Canônicos, quando José de Arimatéria e Nicodemos conseguiram o corpo de Jesus para um sepultamento decente, Jesus já estava morto. O texto sagrado diz que, para comprovar que ele estava morto mesmo, um soldado enfiou uma lança no seu lado e saiu água e sangue, o que denuncia que seu sangue já estava totalmente decomposto (João 19.31-37; 38-42). Por outro lado, agindo apressadamente, para um procedimento demorado, pois já despontava o sábado, não tinham tempo para esses detalhes. E mais: teria José de Arimatéia tido tempo para buscar esse cálice? E, também, o texto do Evangelho de João não menciona nada sobre o assunto. Portanto, a idéia do Santo Graal é uma boa invencionice do autor do livro em questão.

6. Quanto a Maria Madalena, vamos escrever uma página especial intitulada: A Maria Madalena dos Evangelhos Canônicos.

OS SETE ERROS DO LIVRO

Evidentemente, muitos “scolars” americanos têm produzido críticas ao livro de Dan Brawn. Um deles, O Dr. Bem Witherington III, escreveu um livro 208 páginas, intitulado The Gospel Code, editado pela InterVarsity Press, de Illinois, Estados Unidos, onde, dentre outros argumentos contrários ao Código Da Vinci, apresenta sete erros do livro, que quero resumir aqui:

Primeiro erro: Os Evangelhos canônicos: Mateus, Marcos Lucas e João, não são os mais antigos evangelhos. Diz ele que os evangelhos ginósticos como de Filipe e de Maria Madalena são mais antigos.

1. Realmente, havia muitos evangelhos espúrios circulando já no tempo de Paulo. Por isso Paulo disse: Gl. 1.6-8.

2. Mas esses foram rejeitados pela Igreja Primitiva

3. Todos eles trazem mensagens que discrepam totalmente da realidade dos fatos do cristianismo.

Segundo erro: Jesus era apenas um profeta nos seus dias. Só foi proclamado divino no Concílio de Nicea.

1.Só mesmo para quem quer distorcer a verdade. Jesus sempre foi tido como divino. A leitura de 1 João 5.18-20 atesta isto.

2.O que o concílio de Nicéia fez foi oficializar esta verdade, uma vez que heresias estavam surgindo a respeito do assunto. Só se abala com isto quem não conhece nada de Bíblia.

Terceiro erro: O Imperador Constantino, ao se tornar cristão, suprimiu os evangelhos gnósticos, “mais antigos”, e impôs os evangelhos canônicos e a doutrina da divindade de Cristo.

1.os chamados evangelhos gnósticos na verdade nunca foram aceitos e reconhecidos pela Igreja.

2.Os canônicos eram reconhecidos por todos os eruditos cristãos desde 130 AD, muito antes de Constantino. É querer torcer a história.

3.Constantino, realmente, como Imperador, declarado cristão, à semelhança dos imperadores que eram o sacerdote principal do paganismo, convocou o concílio para decidir a respeito da polêmica sobre a natureza da pessoa de Cristo. Mas não foi ele quem decidiu. Foi o grupo de bispos presentes.

4.O personagem Teabing, inventado por Dan Brawn, diz que Constantino, depois do Concílio de Nicéia (325) fez uma Bíblia novinha, como ela é hoje, mas antes não era assim. Isto não é verdade. Mesmo porque seria impossível fazê-lo. O Novo Testamento, para não falarmos da declaração leviana do personagem da “Bíblia toda”, que incluiria o Antigo Testamento todo, provém de manuscritos antigos com idade devidamente testada pelos mais modernos recursos de averiguação na área, principalmente o sistema de carbono 14. É realmente uma irresponsabilidade fazer uma declaração destas.

Quarto erro: Jesus era casado com Maria Madalena.

1.Os Evangelhos Canônicos nunca falaram ou mesmo insinuaram nada sobre o assunto.

2.Os adversários de Jesus nunca levantaram o problema e, se assim fosse, tê-lo iam feito, uma vez que se preocupavam muito com as declarações de que Jesus era filho de Deus.

3.O Evangelho genóstico e apócrifo de Filipe só apareceria no final do terceiro século da nossa era. E esse Evangelho tem várias palavras apagadas que não dá para traduzir. Quando ele chama Maria Madalena de “companheira”, não quer dizer “esposa”. A expressão “beijo na boca” usada por esse falso evangelho é um beijo santo, como Paulo o chamou, e era comum naquele tempo (1 Co. 16). Portanto, a afirmação não procede e é mentirosa.

Quinto erro: Jesus deveria ser casado porque ele era um “judeu novo” – nova geração, deveria ser casado.

1.Não consta que um judeu tinha que ser casado. Apenas um membro do Sinédrio tinha que ser casado, mas não o cidadão comum.

2.Isto não prova que Jesus era casado

3.Se a história faz silêncio do fato é porque não era.

4.Como João Batista, na pior das hipóteses, Jesus seria celibatário

5.E como ele era Divino, esta questão de casamento não lhe era própria

6.O argumento, de qualquer maneira, é muito pobre.

Sexto erro: Referência aos manuscritos do Mar Morto como mais antigos do que documentos cristãos.

1.Menção a um documento chamado Nag Hammadi, que na verdade surgiu no IV século, descoberto no deserto do Egito em 1945, escrito em cóptico.

2.Os manuscritos do Mar Morto só têm documentos judaicos, do tempo do V.T. e não documentos cristãos.

Sétimo erro: Erro teológico. O autor diz que a Igreja Cristã Primitiva tinha que esconder o fato de que Jesus era casado porque “um filho de Jesus poderia prejudicar o conceito da divindade de Cristo e prejudicar também a Igreja cristã”

1.esta é apenas uma suposição para tentar fundamentar um falso argumento.

2.Este assunto nunca esteve em debate na Igreja primitiva. A divindade começou a ser debatida mais tarde.

3.Mas a Igreja cristã sabia das duas naturezas de Jesus, e isto era indiscutível.

4.Os Evangelhos foram livros históricos, feitos por autores despretensiosos, inspirados pelo Espírito Santo. Se houvesse algum problema desta ordem ele seria levantado, com certeza, ou pelo menos combatido. Imagine um Lucas, que escreveu o Evangelho de Lucas e o livro de Atos dos Apóstolos. No prólogo do Evangelho de Lucas, o autor que era também medico e companheiro de Paulo nas suas viagens missionárias, escreve: “Tendo pois muitos empreendido por em ordem a narração dos fatos que entre nós se cumpriram, segundo nos transmitiram os mesmos que os presenciaram desde o princípio, e foram ministros da palavra, pareceu-me também a mim conveniente descrevê-los a ti, ó excelente Teófilo, por sua ordem, havendo-me já informado minuciosamente de tudo desde o princípio, para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado” (Lc. 1.1-4). Notem, por favor, que o texto inteiro fala de pesquisa diligente, de testemunhas oculares, de ordem dos fatos, com finalidade de ter certeza das informações. Ora, quem trabalha com crítica literária sabe muito bem da força desses dados. Como é que o mundo fica encantado com um livro que se baseia em declarações tão rasas e superficiais como as que aparecem no livro Código Da Vinci.

A QUESTÃO DAS BODAS DE CANÁ – João 2.1-12

Brawn diz que o casamento relatado em Jo. 2, é o próprio casamento de Jesus. Esta é mais uma declaração simples, sem qualquer tentativa de fundamentar. A novela trabalha sempre com uma espécie de narcótico para anestesiar a razão e o espírito inquiridor da assistência. Vejamos:

1. A mãe de Jesus estava lá porque a família deveria ser amiga dos nubentes (v. 1). O relato da presença dela é como convidada e não como mãe do noivo.

2. Jesus foi convidado também com os seus discípulos – (v. 2). Se foi convidado, não era o noivo, claro. Como poderia ele ter sido convidado para o seu próprio casamento? O argumento é bonito, mas não merece fé. É uma covardia intelectual.

3. O verso 12 diz que após a festa, Jesus desceu para Cafarnaum, ele, e sua mãe, e seus irmãos, e seus discípulos. Não fala de esposa. Não parece estranho?

4. Este é um erro grosseiro. Só mesmo para quem quer torcer a verdade.

A QUESTÃO DOS CÓDIGOS E DOS SEGREDOS

1. No episódio do Museu de Louvre, aparece uma especialista em códigos, a criptóloga Sophie Neveu, que é neta da vítima, e acaba sendo descendente do casamento de Jesus com Maria Madalena.

2. Os símbolos postos no quadro da “Santa Ceia”, nem deveriam ser mencionados.

a) Primeiro, porque ninguém viu a fisionomia de qualquer dos apóstolos, muito menos de Maria Madalena, para pintá-los. Portanto, nada original.

b) Sabe-se que Da Vinci teve que usar modelos humanos para pintar aqueles personagens. E que modelos!

c) Segundo, porque a Bíblia proíbe a reprodução de imagens, principalmente a imagem de Jesus, jamais poderia ter sido reproduzida.

3. Deus não deixou o Evangelho em códigos, mas em palavras claras e nítidas:

a) Jesus disse que tudo quanto ouvira do Pai, revelou aos discípulos

b) “Tudo o que ouvi do Pai vos tenho feito conhecer”

c) O apóstolo Paulo fala diversas vezes do “mistério” que foi revelado: Ef. 3.5.

d) E na ascenção de Cristo do Monte das Oliveiras, temos mais de 500 testemunhas da ida de Jesus para o Céu. O testemunho claro de dois Anjos que anunciaram sua volta – tudo foi dito em termos claros e não em código.

4. Deus não deixou sua verdade em código

5. Mentiras bem montadas começaram a surgir logo depois da ressurreição de Cristo: veja a mentira dos judeus sobre o corpo de Jesus, registrada por Mateus 28.11-15.

A MARIA MADALENA DOS EVANGELHOS

O sobrenome “madalena” provém de uma aldeia da Galiléia de nome Magdala. Poucas vezes seu nome aparece nos Evangelhos e, antes dos fatos da crucificação e ressurreição, a única menção aparece em Lucas 8.2, que diz que ela era uma das mulheres que serviam a Jesus com seus bens e dela haviam saído sete demônios. Marcos menciona o fatos dos demônios que saíram dela, quando relata sua ida ao sepulcro (Marcos 16.9). Muito se tem procurado identificar Maria Madalena com a mulher pecadora de Lucas 7.50, cujo nome não aparece no texto. Como é o mesmo autor, Lucas, que menciona Maria Madalena no capítulo 8.2, se se tratasse da mesma pessoa, com certeza Lucas te-la-ía identificado.

Mas a passagem talvez mais importante é a de João 19. 25, 26. Na hora da crucificação, João estava junto à cruz, com a Mãe de Jesus, a irmã da mãe de Jesus, Maria de Cleofas, e Maria Madalena. Aqui há dois aspectos interessantes. O primeiro é que o livro em questão diz que quando Jesus foi crucificado Maria Madalena fugiu de Jerusalém para Gália para não criar problemas. No entanto, João, que estava ao pé da cruz, testifica que ela lá estava com as outras mulheres. Um segundo aspecto importante é que Jesus tomou providências, antes de morrer, sobre sua mãe, entregando-a aos cuidados de João, o discípulo amado (vv. 26,27). Ora, se Maria Madalena fosse sua mulher ou esposa, já que o grupo era bem íntimo, não teria ele também dado providências sobre ela? Com certeza que sim.

No episódio da ressurreição, Maria Madalena vai alcançar proeminência. Todos os evangelistas falam dela. Mateus relata que ela e outra Maria foram ao sepulcro e ali viram a pedra removida da boca do túmulo e um Anjo lhes falou que Jesus havia ressuscitado, e mandou que elas avisassem aos outros. E indo elas, o próprio Jesus lhes apareceu (Mateus 28.1-10). O Evangelho de Marcos, igualmente, fala de Maria Madalena e outras mulheres indo ao sepulcro bem cedo. Vêem o Anjo e este lhes dá ordem para avisarem os outros (Marcos 16.1-8). Lucas começa antes da ressurreição, registrando que as mulheres que tinham vindo com ele da Galiléia observaram onde José de Arimatéia e Nicodemos haviam posto o corpo de Jesus. Relatando a ressurreição, Lucas informa que essas mulheres foram muito cedo ao sepulcro e ali constatam a ressurreição. Os nomes da mulheres só são especificados em Lucas 24.10, mas Maria Madalena aparece em primeiro lugar (Lucas 23.49-56; 24.1-12). João estende mais a narrativa. Menciona que Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, viu a pedra revolvida e correu para avisar a Pedro e a João. Voltaram ao túmulo e ali constataram que o túmulo estava vazio. Quando Pedro e João se retiraram, o próprio Jesus aparece a Maria, que estava chorando e recebe dele a ordem para avisar aos demais. Ela, pois, foi a primeira missionária da ressurreição – uma mulher (João 20.1-18). Em Atos dos apóstolos, entre o grupo que ficou no cenáculo em oração esperando a vinda prometida do Espírito Santo, estava Maria, Mãe de Jesus, com as outras mulheres e os irmãos de Jesus (Atos 1.13-14).

À luz destes relatos dos Evangelhos canônicos, algumas observações são evidentes:

1. Maria Madalena teve uma conversão profunda ao Evangelho e por isso dedicou-se a Jesus e seu ministério, com outras mulheres e com a própria Mãe de Jesus. Essa dedicação era comum e nada há de anormal nisto.

2. A denominação de “prostituta” não é apropriada a ela, e nem aparece explicitamente nos Evangelhos. Esta qualificação acontece em alguns escritos, quando ela é confundida com a mulher pecadora de Lucas 7. Mas já dissemos que se essa fosse Maria Madalena, Lucas o teria informado, mas ele fala da pecadora no capítulo 7 e de Maria Madalena no capítulo 8, e pronto. Esta designação de prostituta só vai ser oficializada pela Igreja Católica, através do Papa Gregório, o Grande (590-604 DC), quando a mulher pecadora do capítulo 7 de Lucas passou a ser festejada como Santa Maria Madalena (Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, Vol. 4, p. 135, R.N. Champlin, Editora Agnos).

3. Pelos relatos dos Evangelhos, ainda, Maria Madalena, com outras mulheres, acompanhou todo o processo de julgamento de Cristo e teve coragem de estar ao pé da cruz no momento da Sua morte. Portanto, não fugiu para Gália, como quer Dan Brawn, em seu livro O Código Da Vinci.

4. Ainda mais: Maria Madalena foi a primeira a testemunhar a ressurreição de Cristo – sua fé era, realmente espiritual, e não conjugal ou marital. Sobretudo, ela foi a primeira pessoa a proclamar aos demais que Jesus havia ressuscitado.

5. É curioso observar, no entanto que, tanto a Mãe de Jesus, como Maria Madalena, não são mais mencionadas nos escritos Sagrados além de Atos capítulo 1.

Assim, se os Evangelhos são mais fidedignos relatos dos fatos sobre a vida de Jesus, uma vez que foram feitos por aqueles que conviveram com Ele, e se eles relatam as atividades de Maria Madalena dessa maneira, tudo o mais que corre por esta falsa literatura é falso.

CONCLUSÕES

1. Assim como o Diabo distorceu a Palavra de Deus no Éden para enganar Eva e Adão, assim ele continua distorcendo verdades para enganar hoje.

2. A novela de Brawn fundamenta-se em filosofias esotéricas, muito comuns nos primeiros séculos e muito comuns ainda hoje – a fascinação pelas coisas ocultas.

3. Jesus disse: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Pessoas que ainda estão presas ao erro, ao pecado, ao Diabo, precisam, isto sim, sere libertas por Cristo.

4. Não foi sem razão que o apóstolo Pedro nos advertiu contra “fábulas artificialmente compostas” (2 Pd. 1.16-21).

5. O objetivo de Brawn é destruir o conceito da Divindade de Jesus, destruir o conceito da necessidade de Salvação e desviar as pessoas do Céu, indo para o inferno. É lá o lugar de Brawn e todo o seu elenco.

Damy Ferreira

3 comentários:

Marcos Vichi disse...

O Livro Código Da Vinci só representa alguma ameaça àqueles que não desejam entender de forma séria a história do Cristianismo. Dan Brown foi bastante esperto ao decidir especular sobre temas onde apenas a fé ou a ausência dela pode establecer definições.

A melhor resposta para aqueles que questionam a divindade de Cristo, se ele foi casado, se teve filhos ou não, é aprofundar-se no estudo de sua mensagem e buscar praticá-la de todo o coração amando a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Só assim é será possível dar passos efetivos para o estabelecimento de seu reino.

Ruben, o seu texto apresenta uma reflexão bastante equilibrada sobre a pessoa de Jesus Cristo, sua divindade e humanidade.

Nós ainda temos muita dificuldade para entender o Jesus histórico, ele é tão parecido conosco (à exceção do pecado, é claro) que chega a assustar. O Jesus Divino está mais próximo de nossos ideais espirituais, daquilo que desejamos alcançar. Deve ser por isso não gostamos de explorar sua face humana.

Continue estudando e nos ajudando a entender os mistérios da fé.

Um grande abraço,

Marcos Vichi

Pedro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
LÉO disse...

EU ACREDITO PORQUE ACREDITO. NÃO ME IMPORTA A FUNDAMENTAÇÃO, PORQUE SE FUNDAMENTAÇÃO FOSSE IMPORTANTE PARA A FÉ, A FÉ SIMPLESMENTE NÃO EXISTIRIA. O QUE DEPENDE DE FUNDAMENTAÇÃO PARA A ACREDITAR É A FILOSOFIA, A CIÊNCIA. A RELIGIÃO, DESDE O INÍCIO DA HISTÓRIA, ENSINOU A ACREDITAR NO INCOMPREENSÍVEL, O QUE ALIÁS, FUNCIONA MUITO BEM COMO UM CONTROLE SOCIAL. EU ACREDITO E PRONTO! O QUE ME REVOLTA É O FATO DE VER A FÉ SER EXPLORADA PELA MAIORIA DAQUELES QUE PREGAM OS EVANGELHOS, COMO FONTE DE RECEITA INFINDÁVEL. SOU CATÓLICO, FUI COROINHA, PRESIDENTE DE MOVIMENTO JOVEM, SOU DEVOTO DE NOSSA SENHORA, E MINHA CONCLUSÃO É QUE O CÓDIGO DA VINCI MENTE, A IGREJA CATÓLICA MENTE, AS IGREJAS EVANGÉLICAS MENTEM E TODOS GANHAM MUITO DINHEIRO COM AS MENTIRAS. TEM ATÉ LÍDER RELIGIOSO LOTEANDO O CÉU. DE VOLTA AO CÓDIGO DA VINCI, MUITOS LÍDERES RELIGIOSOS DEVEM ESTAR SE PERGUNTANDO: "QUAL A RECEITA PARA VENDER 50 MILHÕES DE EXEMPLARES?" EU TIVE CORAGEM DE ESCREVER, TENHAM CORAGEM PARA PUBLICAR.